FEBRE MACULOSA

Você Sabia que estamos tendo aumento do número de casos de febre maculosa em nossa região metropolitana?

Pois é, regiões com lotes vagos, capins, cavalos ou  próximo a matas e cachoeiras, onde vivem as capivaras são os locais de maior risco.

A febre maculosa é uma doença potencialmente letal, mas curável, transmitida por carrapatos.  O espectro clínico da infecção humana varia de doença leve a fulminante. O agente etiológico, R. rickettsii, é uma bactéria com tropismo por células endoteliais vasculares. A infecção por Rickettsias leva a lesão vascular direta e pode levar a uma variedade de manifestações clínicas, como pneumonite intersticial, miocardite e encefalite.

Como mencionado acima, a febre maculosa geralmente é transmitida pela picada do carrapato. No entanto, até um terço dos pacientes não relatam uma história de picada de carrapato, uma vez que o local de inoculação é geralmente indolor e muitas vezes obscurecido por cabelo ou por uma prega cutânea. O carrapato transmite infecção aos seres humanos durante a alimentação. Após o carrapato ter sido fixado ao hospedeiro por 6 a 10 horas, as rickettsias são liberadas das glândulas salivares dos carrapatos. Além disso, os seres humanos podem ser infectados pelo contato com tecidos ou fluidos de carrapatos durante o processo de remoção do carrapato.

 

PERÍODO DE INCUBAÇÃO

Os pacientes infectados tornam-se sintomáticos 2 a 14 dias após serem picados por um carrapato infectado, com a maioria dos casos clínicos ocorrendo entre cinco e sete dias após a exposição.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS Os sintomas clássicos da febre maculosa incluem febre, dor de cabeça e erupção cutânea em uma pessoa com histórico de picada de carrapato. No entanto, todas essas pistas de diagnóstico raramente são identificadas no encontro inicial do paciente, levando a atrasos na terapia apropriada. Em casos fulminantes, a morte pode ocorrer dentro de cinco dias.  Sintomas inespecíficos precoces – Na fase inicial da doença, a maioria dos pacientes apresenta sinais e sintomas inespecíficos, como febre (que geralmente está presente em uma alta porcentagem de pacientes), cefaléia, mal-estar, mialgias e artralgias. O início dos sintomas pode ser gradual ou abrupto e a cefaleia é frequentemente grave.Náusea, com ou sem vômitos, é uma queixa comum. Alguns pacientes, especialmente crianças, também podem ter dor abdominal proeminente que pode ser grave; o aparecimento de dor abdominal antes do início da erupção pode levar a diagnósticos errôneos, como apendicite aguda, colecistite e até obstrução intestinal.  Erupção cutânea A erupção cutânea ocorre em aproximadamente 88 a 90 por cento dos pacientes, mas é raramente vista na apresentação clínica inicial. A maioria dos pacientes com febre maculosa desenvolve uma erupção cutânea entre o terceiro e o quinto dia de doença. Apenas 14 por cento dos pacientes têm erupções cutâneas no primeiro dia e menos de metade desenvolvem uma erupção cutânea nas primeiras 72 horas da doença. Como resultado, a erupção cutânea é frequentemente ausente quando os pacientes primeiro entram em contato com um clínico para avaliação. A marca registrada da febre maculosa é uma erupção eritematosa branqueada com máculas (de 1 a 4 mm de tamanho) que se tornam petequiais com o passar do tempo. No entanto, a evolução da erupção cutânea pode variar; alguns pacientes podem subitamente desenvolver uma erupção petequial sem uma erupção maculopapular prévia. A aparência da erupção geralmente começa nos tornozelos e pulsos e se espalha para o tronco; A erupção cutânea que aparece nas palmas das mãos e nas solas dos pés é altamente característica da febre maculosa, mas geralmente ocorre na doença de estágio tardio. Em uma pequena porcentagem de pacientes, a erupção é atípica, permanecendo confinada a uma região do corpo. Em casos graves, a erupção cutânea pode se tornar confluente, com algumas áreas da pele sofrendo necrose devido ao dano induzido pelo patógeno na microcirculação, especialmente em regiões supridas por artérias terminais, como dedos, dedos, nariz, orelhas e genitais. Um possível problema de diagnóstico é que a erupção cutânea nunca ocorre em até 10% dos pacientes. Além disso, a erupção pode ser facilmente negligenciada em indivíduos de pele escura. Essas observações são importantes clinicamente porque um atraso na instituição da terapia antimicrobiana além de cinco dias está associado a um aumento da taxa de mortalidade.

 

Após ser picado por carrapato e se desenvolver esses sintomas, não demore a procurar avaliação clinica e diga ao seu médico que foi picado por carrapato, mostre a lesão que ele recomendará o tratamento adequado.

Dr. Leonardo Pereira Florêncio  CRM 34272